sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Deixai-me por aqui!
Berlim

Nem encontro uma frase estupidamente retumbante para expressar a tristura que sinto em ter de vazar de Berlim. Embora tenha vindo com o fito de guaribar o alemão, a verdade é que fui 70% turista, 25% boêmio e 5% estudante. O quociente do pesquisador, ao contrário de quaisquer expectativas foi zero. O meu Dolce far niente por estas bandas confirmou-me a vocação nata para pleibói, não desses ridículos da Zona Sul que acham que, por terem um Gol rebaixado e caixas de som esporrentas, tiram onda diante do Belmonte; não, senhores, digo um pleibói do naipe de Jorginho Gingule, desses que perdem milhões nas roletas de Montecarlo e não estão aí, desses que só pegam modelos e atrizes de Hollywood. O charme e o gosto pela vida tenho; falta-me o dindim...
Amanhã, lá vou eu (acho), sem eira nem beira, para Dresden, que sofrerá com minha presença provavelmente sua segunda tragédia.

Atendendo a pedidos... Mas essa é só a estação de metrô: famosa mesmo é a de trem.
O zagueirão com as pernas escancaradas desse jeito toma ovinho até de mim...

O Brasil é internacionalmente reconhecido por suas importantes contribuições para o avanço da Humanidade.
E terminamos aqui nossa estadia berlinense citando a brega primeira estrofe da superbrega "Gute Nacht" de Wilhelm Müller, excepcionamente, todavia, musicada por Schubert:
Fremd bin ich eingezogen,
Fremd zieh' ich wieder aus.
Der Mai war mir gewogen
Mit manchem Blumenstrauß.
Das Mädchen sprach von Liebe,
Die Mutter gar von Eh'.
Nun ist die Welt so trübe,
Der Weg gehüllt in Schnee.

("Como um estranho cheguei,
Como um estranho parto.
Maio acalentou-me
Com um punhado de buquês.
A rapariga falou de amor,
A mãe até de casamento.
Agora o mundo está tão escuro,
O caminho coberto de neve.")

Sim, eu falei que era superbrega...

3 comentários:

Liv disse...

mas agora é que a parte emocionante da viagem começa!

Discípula de Hatshepsut disse...

Acho que agora é hora de fazer a pergunta crucial: Álvaro, vc tem saco de dormir? Cobertor? Lençol? Casulo? Um casaquinho? Seria muito triste ver o Jornal Nacional e descobrir que um estudante brasileiro, trajando apenas bermuda e camisa, morreu congelado na Europa.

Lovely disse...

rapariga hahahahahe